Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

NAÇÕES DO ÁRTICO UNEM-SE PARA TRAVAR A PESCA COMERCIAL NA REGIÃO DO PÓLO NORTE

Mäyjo, 05.06.17

pesca_SAPO

Oito nações com território na região do Ártico assinaram um acordo para travar a pesca comercial nas águas do Pólo Norte. O documento, que foi assinado por países como os Estados Unidos, Rússia, Canadá, Noruega e Dinamarca, é uma resposta às alterações climáticas, que estão a provocar o derretimento do gelo no Oceano Ártico.

 

Estima-se que as águas árticas já não tenham stocks comerciais de peixe, mas o derretimento de gelo atrai vários peixes mais para norte, nomeadamente o bacalhau.

O acordo vai “evitar um problema antes do tempo”, indica o vice-secretário assistente de Estado para os Oceanos e Pesca dos Estados Unidos, David Balton, cita o Guardian. “Muito pouco é sabido sobre esta área oceânica”, acrescenta.

“As alterações climáticas estão a afectar os padrões migratórios dos stocks de peixe”, indica o ministro dos Negócios Estrangeiros da Noruega, Boerge Brende. De acordo com o governante, todos os países com território na região do Ártico têm a responsabilidade de proteger as águas internacionais, começam 200 milhas náuticas depois das respetivas costas.

O acordo foi negociado em Fevereiro de 2014 na Gronelândia e deveria ter sido assinado em Junho de 2015. As tenções entre a Rússia e a Ucrânia atrasaram, porém, a assinatura do documento.

Os Estados signatários do acordo querem agora que outras nações – como a China, Coreia do Sul, Vietname e todos os países da União Europeia – se comprometam a não pescar nas águas árticas.

Foto: drjerryfowler / Creative Commons

Acordo de Livre Comércio UE - EUA

Mäyjo, 10.09.15

A UE pretende estabelecer um tratado de livre comércio com os EUA que ao abolir as barreiras não alfandegárias e ao uniformizar os padrões de produção e consumo, levará à destruição do Estado de Direito, dos direitos económicos, sociais e culturais, do clima e do meio ambiente, ao conceder poder excessivo às grandes multinacionais e aos limites que imporá à soberania dos Estados de legislarem num sentido favorável ao interesse público: o de todos nós.

Saiba mais sobre o que está em causa aqui.

Ignorar é uma opção, mas está longe de ser a m

 

 

Ignorar é uma opção, mas está longe de ser a melhor solução!